Thursday, March 05, 2009

Analisando a União das Repúblicas Socialistas Latinas

Especial para o jornal Informante

10 anos depois de lançarem o clássico “O Manual do Perfeito Idiota Latino Americano”, Plínio Apuleyo Mendoza, Carlos Alberto Montaner e Álvaro Vargas Llosa lançam uma continuação, “A Volta do Idiota”, livro que analisa a recaída esquerdista em que o continente Latino se meteu.

Escrito por Eduardo Galeano, “As Veias Abertas da América Latina” tornou-se o criador de dogmas para a esquerda populista da América Latina. Dentre outras coisas o livro acusava a manipulação, intervenção e imperialismo praticado pelos EUA e a Europa sobre os países do continente e ao longo de 500 anos. Trata-se de um livro fundamental para a esquerdopatia e o populismo.

A resposta a esta bíblia do atraso foi o livro “O Manual do Perfeito Idiota Latino Americano”, escrito pelas mãos habilidosas de Plínio Papuleyo Mendoza, escritor e embaixador colombiano, Carlos Alberto Montaner, escritor e jornalista refugiado cubano e Álvaro Vargas Llosa, escritor e economista peruano. Uma trinca de escritores dispostos a desfazer todas as verdades absolutas vendidas pelas esquerdas. O livro acusava o domínio populista nos países latinos, influenciado pela revolução comunista genocida de Fidel Castro em Cuba. A idiotia que tomava a América Latina era conduzida pelas velhas políticas estatistas, nacionalistas e internacionalistas que isolavam nosso continente do progresso econômico e social. Passados 10 anos os três autores voltaram a se reunir para escrever a continuação da saga do idiota latino, “A Volta do Idiota”, livro que faz uma avaliação quase que irrepreensível sobre a onda vermelha que voltou a tomar o continente.

Contando com o prefácio do famoso escritor Mário Vargas Llosa, o livro toma como base uma incomparável analise psicológica dos idiotas latinos e observando a união das esquerdas na construção do obscuro Foro de São Paulo, “A Volta do Idiota” traça qual foi o rumo tomado pelos esquerdistas em sua volta ao controle e quais foram as falhas cometidas por nossos liberais e conservadores. O livro também dedica capítulos específicos para cada um dos grandes lideres da revolução esquerdista latina. Hugo Chavez, Evo Morales, Néstor Kirchner e Daniel Ortega são vasculhados desde suas origens até a condução de seus governos atualmente. O livro também não se furta em observar o sorriso envergonhando da idiotia esquerdista européia frente ao crescimento dos populistas na América Latina, fenômeno que somente agora começa a revelar seus malefícios ao Velho Mundo. Outro destaque é o capítulo “Cinco Idiotas Sem Fronteiras” onde se analisam a escrita de escritores e intelectuais comunistas que influenciam atualmente o pensamento de esquerda.

O ponto alto do livro, no entanto, é o estabelecimento dos conceitos de “Esquerda Carnívora” e “Esquerda Herbívora”. Os autores dividem as lideranças de esquerda no continente entre aqueles que seguem os valores absolutos do atraso e aqueles que na opinião dos autores estão mais ligados a alguns conceitos modernos de pensamento político. Entre os carnívoros estariam Chávez, Ortega, Morales e Kirchner. Entre os herbívoros estariam Lula, Alan Garcia e Michelle Bachelet. O ponto falho desta analise é a situação particular de cada país. Lula por exemplo é herbívoro por que o ambiente onde desenvolve sua influência não lhe permite comer carne. Ao contrário da Venezuela onde Chávez se beneficiou da desunião da oposição e da monocultura petrolífera para se firmar como o grande caudilho do continente, o Brasil, pelas dimensões continentais, liberdade de imprensa, judiciário livre, número de lideranças, forte classe média e diversidade econômica está impedido Lula e os petistas de fazerem as mesmas barbeiragens ideológicas que seu aliado do Foro de São Paulo. Isso não os impedem, no entanto, de tentar destruir as instituições democráticas do país, como a compra de deputados, as tentativas de calar a imprensa e o acobertamento, através de sua desastrosa política exterior, dos devaneios populistas praticados por seus aliados caudilhos nos países vizinhos.

“A Volta do Idiota” é um livro necessário para estes tempos onde a esquerda continental conseguiu o monopólio do discurso através de uma vasta propaganda difamatória da direita, dos valores cristãos e da economia de mercado através dos últimos 50 anos. Fica evidente que apesar de idiotas pelos conceitos defendidos os esquerdistas são muito mais inteligentes que nossos conservadores e liberais. Fica a esperança de que uma hora dessas surja um “Manual do Liberal Idiota” para analisar friamente como a direita abdicou do direito de ter opinião e existir pela incompetência, inépcia e adesismo de seus líderes.

FICHA TÉCNICA

Autores – Plínio Apuleyo Mendonza, Carlos Alberto Montaner, Álvaro Vargas Llosa
Gênero – Não-Ficção
Ciência Política
Encadernação – Brochura
Editora – Odisséia
Páginas – 240

Por Guilherme Macalossi
Ensaio publicado no jornal Informante em 26 de fevereiro de 2009

No comments: